Barco Que Navega Sobre a Terra e Sobre o Mar

Capa da edição portuguesa de Elric - Príncipe dos Dragões

Capa da edição portuguesa de "Elric - Príncipe dos Dragões"

O primeiro volume publicado em português, Elric – Principe dos Dragões, está repleto de elementos criativos dignos de destaque. Um deles é o Barco Que Navega Sobre a Terra e Sobre o Mar, uma embarcação mágica usada por Elric e os seus homens para se deslocarem até Dhoz-Kam e daí resgatarem Cymoril, amada daquele.

Na ânsia de salvar Cymoril, Elric enviou as suas barcas de guerra douradas, os seus homens e os seus dragões à sua procura, mas não obteve qualquer pista. Desesperado, decide invocar o deus Arioch, Senhor do Caos, que revela-lhe o local para onde Cymoril foi levada e que o aconselha a usar o Barco Que Navega Sobre a Terra e Sobre o Mar. Trata-se duma embarcação lendária, usada por um antigo herói de Melniboné. Elric decide, então, invocar Straasha, o deus do Mar. Este conhece o barco pois pertence-lhe, mas pertence também ao seu irmão Grome, deus da Terra. Straasha compreende a angústia do rei albino a cede-lhe o barco. Aconselha Elric a esperar, pois o barco iria até ele. E assim foi…

Na amanhã seguinte, Elric viu algo emergir da floresta “em tons de branco, azul e negro”. Era o seu barco à vela, descrito na seguinte passagem:

“A embarcação era alta esquia e delicada. (…) Apesar da construção em madeira, esta não se encontrava pintada, embora exibisse um brilho natural que oscilava entre tons de azul, negro, verde e vermelho esfumado. O aparelho era cor de alga, e os veios nas tábuas polidas do convés faziam lembrar as raízes de uma árvore. As velas pairavam cheias dos três mastros afilados, brancas e leves como nuvens num dia ameno de verão. A embarcação era tudo quanto de belo se podia encontrar na natureza; (…) Numa palavra, toda a embarcação irradiava harmonia”.

O modo como a embarcação se deslocava é, talvez, o mais interessante. No mar, era mais rápida do que qualquer outro barco, em terra…

“A embarcação sulcou gentilmente a terra, qual superfície dum rio, e o chão por baixo da quilha ondulou como se transformado por momentos em água. (…) passado o navio, o chão logo tornava ao seu estado sólido normal.”

“O navio seguia a grande velocidade por declives rochosos e montes cobertos de tojo; abriu caminho através de florestas e cursou imponente pelos prados. Movia-se como um falcão a baixa altitude, que permanece junto ao solo mas se desloca a uma velocidade e precisão incríveis enquanto persegue a vítima, mudando de direcção com um bater de asas imperceptível.”

O barco não tinha âncora, e sem maré em terra a única forma de o fazer mover era dizer-lhe que os tripulantes estavam prontos para zarpar. Inicialmente, a condução foi complicada pois, dada a indicação para iniciar o movimento, o barco foi em direcção à muralha da cidade, mas…

“Elric foi rapidamente até ao centro da popa onde se encontrava uma enorme alavanca horizontal ligado e a um mecanismo de cremalheira que por sua vez estava ligado a um eixo. Quase de certeza que era o leme. Elric segurou a alavanca como quem segura um remo e forçou-a a um ou dois encaixes. O navio respondeu de imediato…”

Pela peculiaridade e criatividade intrínseca, achei este barco um grande pormenor, digno de destaque. A viagem de Elric e, em especial, o Barco Que Navega Sobre a Terra e Sobre o Mar são elementos fundamentais nesta obra de Moorcock, conduzindo o leitor para um mundo surreal e atraente.

Hoje em dia, existem viaturas híbridas que se deslocam em terra e em água, mas a tecnologia ainda não foi capaz de ofuscar este grande pormenor da literatura fantástica.

Fontes: Livro Segundo: Cap. 4, 5, 6 e 7, Elric – Príncipe dos Dragões, de Michael Moorcock, Saída de Emergência, 2005

Esta entrada foi publicada em Grandes Pormenores, Literatura Fantástica, Livros. ligação permanente.

4 respostas a Barco Que Navega Sobre a Terra e Sobre o Mar

  1. Fico contente por saber que arranjaste um tempo para aqui passar, Crítico😀 É sempre bom ver alguma diversidade.

    Também gostei imenso deste fantástico pormenor que nos apresentas, o Barco Que Navega Sobre a Terra e Sobre o Mar. Achei todo o primeiro livro (O Príncipe dos Dragões) simplesmente genial. Sem dúvida um grande Clássico😀
    Já d’A Fortaleza de Pedra não gostei tanto… Mas estou à espera dos próximos😛

    Cumprimentos.

  2. igdrasil diz:

    Mais uma vez te dou os parabéns por esta rubrica! E que excelente pormenor! Nunca li este livro, mas fiquei com água na boca. Concordo com o Francisco, é sempre muito bom quando passas por aqui Critico, trazes uma leitura muito especial do fantástico!

  3. O Crítico diz:

    Obrigado a ambos.

    Também eu fico contente por ter conseguido arranjar algum tempo para escrever o texto. E nem era este que estava planeado…

    Quanto ao livro, hmm, não posso dizer que o tenha achado genial. O autor é criativo e apresenta pormenores que me agradaram bastante, como o Barco Que Navega Sobre a Terra e Sobre o Mar, mas a verdade é que não me convenceu. Mas estava com esperanças de que A Fortaleza de Pedra fosse melhor. Se não é, talvez nem comece a ler.🙂

    Fiquei intrigado: uma leitura especial do fantástico?

    Cumprimentos para os dois!

  4. Bem, eu achei-o genial. Mas genial, apreciando o livro tendo em conta a altura em que foi escrito e tudo isso😛

    O outro nem mesmo assim consegui gostar muito xD Mas o tradutor (João Seixas, acho eu) disse-me que o segundo não é mesmo um ponto alto da saga. Vai sair em Maio o terceiro, estou curioso😀

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s