A Última Transmissão Humana

UTH

Hoje trago-vos algo de novo. Não irei falar de um livro, não irei falar de um filme, não irei falar de um audiolivro nem de uma radio-novela. Venho falar-vos de um FLI.

FLI, um conceito do próprio autor – Haiden – significa Filme Literário Interactivo, e é exactamente disso que se trata. De um Filme que não usa Fita, de um Livro que não usa papel, e é interactivo porque podemos interagir com a obra – conforme veremos mais adiante. Na realidade, falar do conceito não será suficiente. Aquela máxima filosófica «O conceito de cão não morde» aplica-se inteiramente aqui. O conceito de FLI não será suficientemente esclarecedor, FLI é um conceito que apenas fará sentido quando experimentado.

Visitemos pois o blogue – http://www.ultimatransmissaohumana.blogspot.com.

O cuidado visual e estético que Haiden  dispensou ao seu trabalho é fantástico. Existe uma preocupação radical em bombardear o leitor com estímulos visuais – recorrendo a fotos artísticas, banners, templates vários e cores – com estímulos literários – para além do texto principal que conta a história, o autor brinda-nos com poemas – e estímulos musicais – uma banda sonora pré-seleccionada espectacular ouve-se ininterruptamente, através de um I-pod Digital.

Tudo isto poderia apenas ser um grande confusão, mas não é! Está tudo harmoniosamente organizado, desde as fotos, que estão intrinsecamente ligadas com a história, passando pelos poemas que ilustram os momentos emocionais e pensamentos do personagem, até à musica que, para além se muito bem escolhida, dá um toque final que torna único este trabalho.

Façamos um paralelismo: imaginem-se no cinema; no ecrã passa uma cena (texto principal, no caso do FLI), ao mesmo tempo ouvem no fundo a banda sonora (que no FLI está sempre a tocar), e uma voz off relata os pensamentos e inquietações do personagem (uma das funções da poesia no FLI). Por isso se chama  Filme Literário Interactivo. Usando as palavras do próprio autor, em entrevista a Alterwords nº 7 : «A Última Transmissão Humana é um projecto de literatura fantástica apoiado na escrita  criativa e em diversificados conteúdos multimédia que formam um todo coerente que eu denomino de “ Filme Literário Interactivo “ ou apenas “ Fli “ . A introdução deste conceito inovador implica imediatamente uma transição natural para um novo patamar de exposição literária e absorção da mesma por parte do leitor que agora recebe estímulos visuais e sonoros, sentindo a história de uma forma mais profunda e pessoal como se este fosse parte integrante da narrativa, uma espécie de espectador oculto dos acontecimentos narrados.»

Vantagens do FLI face ao cinema?

Quantas vezes fomos ao cinema e detestamos a escolha das músicas para as cenas?

Quantas vezes, no cinema, vos apeteceu sair no meio da sessão porque o argumento usava palavras incompreensíveis?

Quantas vezes, saíram a meio do genérico final só porque não concordaram com o fim?

É aqui que entra a interacção.

Haiden dá-nos a possibilidade de interagirmos com a obra, e essa possibilidade torna quase impossível sairmos frustrados.

A banda sonora, apesar de estar predefinida, poderá ser alterada pelo leitor que pode parar a sequência, aceder à lista de musicas e escolher faixas mais do seu agrado.

O texto está muito bem escrito. Haiden escreve de modo ritmado, usa cores quentes e frias, consoante os sentimentos evocados, para marcar frases chave nos textos recorrendo à psicologia das cores e influenciando o leitor . O seu português não é corriqueiro, não é internetês, escolhe palavras longas e carregadas de sentido, palavras que não se ouvem todos os dias. E o resultado deste esforço de organização do texto é que quando damos por nós estamos a ler na mesma cadência da acção, estamos cansados quando falta o ar ao personagem, estamos em pânico quando o personagem não sabe o que está ao virar da esquina… Estamos a interagir!

Além de tudo isto, Haiden, oferece-nos dicionários on-line, caso tenhamos dúvidas de português, um Codex para compreensão da história, e outros extras: biblioteca de livros, trailers, artistas musicais, enfim, tudo o que inspirou a obra e que se relaciona com ela. E por fim, por vezes, pede-nos que decidamos o seu destino…

Mas afinal que história nos conta Haiden?

A acção passa-se em 2080, pouco tempo depois de se ter descoberto que as calotes glaciares do pólo-norte, na Terra, estavam a derreter parcialmente. Haiden, o personagem principal, é um programador informático contratado pela GENOTECH, uma empresa de investigação do genoma humano situado numa colónia de Marte, recebe esta notícia chocante e, antes mesmo de ter recuperado da preocupação com a situação perigosa em que a sua família se encontraria na Terra, assiste a um acidente catastrófico num laboratório de um novo complexo molecular. Estão dadas as premissas base para a história.

O acidente espalhou uma espécie de vírus que transformava os humanos em «demónios» e, para complicar, a situação na Terra é tão grave que o planeta é evacuado para Marte onde os esperaria um Inferno.

Os primeiros capítulos são alucinantes. É a lei da sobrevivência que fala mais alto. Um homem sozinho, contra os «exércitos de Dante» ( palavras de Haiden), tenta não morrer em nome de uma missão temerária: impedir as naves terrestres de aterrarem e assim salvar a humanidade dum fim horrível, e mais que certo, às mãos dos «demónios» (palavras de Haiden novamente).

Será que consegue?

Resta-me dar os parabéns a Haiden! O trabalho está muito bom, e o melhor é que ainda não está acabado!

Os textos são fluídos, têm um ritmo frenético, consistente com os relatos, que aceleram e abrandam consoante a acção, e é envolvente; a expansão de consciência proporcionada pelos textos de poesia é revigorante, pois permite-nos respirar, sentir os textos já lidos de outra forma; e a banda sonora, para além de elevar o espírito para um nível de entendimento quase transcendente, oferece-nos a possibilidade de experimentar novas emoções sempre que relemos um texto sob o som de diferentes faixas.

Estou ansioso para ler o próximo capítulo.

Sobre Paulo J Fonseca

Escritor, leitor, apreciador do cinema e videojogos, admirador de artes digital e «ouvidor» de música. Gosto de divulgar tudo aquilo que me parece bom, tal como alertar para tudo aquilo que, parecendo bom, pode não ser tão bom assim.
Esta entrada foi publicada em Autores, Autores Portugueses, Cinema, Fantasia, Fantástico, Ficção Científica, Literatura Fantástica, música, Nova Fantasia, Novos autores, Sci-fi, Sugestões de Leitura, Uncategorized com as etiquetas , . ligação permanente.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s