Crítica: Os Jogos da Fome

PUBLICADO POR ANACNUNES NO BLOGUE FLORESTADELIVROS.BLOGSPOT.COM

“Os Jogos da Fome (Livro 1)” de Suzanne Collins (Editorial Presença)
Sugestão para leitura do mês (Janeiro) no grupo “The Next Best Book”.

Sinopse:
Num futuro pós-apocalíptico, surge das cinzas do que foi a América do Norte Panem, uma nova nação governada por um regime totalitário que a partir da megalópole, Capitol, governa os doze Distritos com mão de ferro. Todos os Distritos estão obrigados a enviar anualmente dois adolescentes para participar nos Jogos da Fome – um espectáculo sangrento de combates mortais cujo lema é «matar ou morrer». No final, apenas um destes jovens escapará com vida… Katniss Everdeen é uma adolescente de dezasseis anos que se oferece para substituir a irmã mais nova nos Jogos, um acto de extrema coragem… Conseguirá Katniss conservar a sua vida e a sua humanidade? Um enredo surpreendente e personagens inesquecíveis elevam este romance de estreia da trilogia Os Jogos da Fome às mais altas esferas da ficção científica.


Opinião:
Foi esta noite, quase às quatro da manhã, que terminei este livro. E isto porque o livro é tão viciante, mas tão viciante, que não conseguia pousá-lo até o terminar, mesmo sabendo que hoje seria segunda-feira. Já no sábado tinha ficado até às cinco da madrugada a digerir quase cem págnas, porque não conseguia parar de ler.
Dito isto, é bastante óbvio que gostei muito do livro. Confesso que a premissa não era a mais original, sendo impossível não compará-la com o Battle Royale, mas a partir de um certo momento, tornou–se tão empolgante que era impossível pousar o livro sem se ficar a pensar no que iria acontecer a seguir.
Não vou dizer que o fim foi totalmente inesperado, pois adivinhei-o com uma certa antecedência, mas mesmo assim não deixou de ser soberbo.
A crueldade da história, a corrupção e a manipulação que o governo exerce sobre o povo, onde uns esbanjam riqueza, outros morrem de fome, aliado a personagens fortes e uma protagonista que sabe o que quer e o que tem de fazer para o conseguir, mas também é muito humana, fazem deste livro uma delícia que recomendo a toda a gente.
O facto de nunca termos a certeza se uma ou outra personagem é amiga ou inimiga, de sabermos quando vai ser o próximo ataque, tudo isso aliado ao carácter extraordinário, e ainda assim, cheio de falhas, da Katniss, fez com que a adorasse, sem nunca esquecer que estavamos a falar de uma adolescente, que agia como tal, e que por isso justificava alguns dos seus momentos menos brilhantes.
O Peeta (nome muito estranho e que vai criar sérias confusões quando o filme for lançado em Portugal)  também foi uma personagem fabulosa, pois a Katniss conseguiu transmitir muito bem as dúvidas e receios que tinha em relação a ele, fazendo com que duvidassemos dele até ao fim, mesmo depois de tudo o que ele fez por ela.
Os pontos “menos bons” do livro foram muito poucos e passíveis de serem ignorados, já que advém da idade de algumas personagens, o que faz com que certas coisas sejam irritantes, mas comprrensíveis.

Em suma, foi um livro excelente, que não é nenhuma obra-rima, mas que entretém, e muito. Um excelente livro que dá gosto, que nos deixa intrigados e na expectativa. Só espero que no próximo livro explorem mais o Capitólio, os rebeldes, e os relacionamentos da Katniss, que começaram a aquecer no final.
Recomendado!

Esta entrada foi publicada em Uncategorized com as etiquetas , , . ligação permanente.

Uma resposta a Crítica: Os Jogos da Fome

  1. Pingback: Crítica: Os Jogos da Fome « Correio do Fantástico – jogos

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s