Longe da Terra

de Marion Zimmer Bradley

O título original – Survey Ship – é efectivamente um título melhor que o da tradução. A história é sobre a tripulação de uma nave que vai explorar o espaço profundo, e não sobre alguma coisa que se passe longe da Terra. Longe da Terra acaba por ser uma circunstância aproveitada para intitular um livro que, de outro modo, se poderia ter intitulado Nave de Pesquisa, ou Nave de investigação… Compreendo que não sejam bons títulos, mas Longe da Terra, apesar de não soar mal, induz em erro que vai ler o livro.

Zimmer Bradley relata-nos os sentimentos de um conjunto de pessoas, forçadas a conviver em nome de uma causa maior. Contudo, estas pessoas, os tripulantes d’ A Nave, como lhe chamavam, haviam escolhido o destino que queriam e a forçada convivência acaba por ser uma consequência clara de uma opção de vida. Todos eles faziam parte dum grupo maior, de uma Academia que havia preparado muitas pessoas para serem astronautas, mas para serem astronautas d’ A Nave. Porque A Nave tinha uma missão específica, longa, e todos sabiam que os seleccionados teriam de dizer adeus a tudo o que conheciam, incluindo às pessoas mais importantes da sua vida.

O livro aborda temas como a genética, a sexualidade, a arte, a busca pela perfeição e, claro está, toda a panóplia de sentimentos evocados numa partida que será para sempre, principalmente aqueles que guardamos para nós.

Quanto o texto, confesso que não gostei muito. Eu sou um apreciador de Marion Zimmer Bradley, no entanto, neste livro, a escrita está pouco fluida, há demasiados e longos diálogos e, por vezes, perde-se a perspectiva.

Não sei se esta sensação foi culpa do tradutor ou se foi da própria autora. No caso da culpa ter sido de Zimmer Bradley, há que dizer que a autora evoluiu muito depois de Survey Ship.

Sobre Paulo J Fonseca

Escritor, leitor, apreciador do cinema e videojogos, admirador de artes digital e «ouvidor» de música. Gosto de divulgar tudo aquilo que me parece bom, tal como alertar para tudo aquilo que, parecendo bom, pode não ser tão bom assim.
Esta entrada foi publicada em Uncategorized. ligação permanente.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s