Colóquio de Ficção Científica em Lisboa!

Quem pode dizer que a Ficção Científica morreu em Portugal?

A partir de agora ninguém o poderá fazer. Os dias 3, 4 e 5 de Novembro estão a chegar e com eles os “Mensageiros das Estrelas”, colóquio sobre Ficção Científica e Fantasia a realizar na Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa.

E promete ser em grande, com nomes sonantes entre os escritores e críticos portugueses e internacionais como a Professora Farah Mendlesohn , David Soares, Luís Filipe Silva, Prof. Henrique Leitão, um escritor estrangeiro de peso ainda a definir, entre muitos outros, bem como as editoras que têm apostado no fantástico em Portugal, que marcarão presença numa feira que se espera de grandes dimensões e repleta de qualidade. Serão três dias intensos na Faculdade de Letras de Lisboa, com mesas redondas sobre cinema, literatura académica e de ficção, BD e ainda um dia prévio dedicado à passagem de filmes na FNAC do Chiado, alguns dias antes (primeiro evento do colóquio).

Com organização do Centro de Estudos Anglísticos da Universidade de Lisboa espera-se um evento com dimensões e ambições superiores aos já realizados no nosso País. Numa breve conversa com um dos organizadores, percebi que o objectivo do colóquio passará por aproximar o nicho composto pelos entusiastas do género, abrindo também o apetite a todos os que ainda não experimentaram as maravilhas da Ficção Científica e da Fantasia, tentando estabelecer também um dialogo entra a academia e o público em geral, dando espaço aos novos projectos, fazendo uma mostra do melhor em termos nacionais e internacionais. Existe ainda alguma expectativa sobre os restantes participantes, sendo que os convidados até agora dispensam apresentações.

Da nossa parte acompanharemos este enorme esforço para trazer a FC&F à luz do dia.

Começamos por oferecer a notícia, em primeira-mão, aos leitores, bem como pretendemos publicar uma entrevista com os organizadores depois de totalmente definido o programa. Acompanharemos, certamente, todo o desenrolar deste colóquio.

Roberto Mendes

Esta entrada foi publicada em Autores Portugueses, Eventos com as etiquetas , , . ligação permanente.

33 respostas a Colóquio de Ficção Científica em Lisboa!

  1. No mesmo mês, em dois fim de semana seguidos e em Lisboa, dois eventos grandes relacionados com a FC&F. Bem se diz que não à fome que não dê em fartura. Coincidência, guerrinhas, concorrência?
    Será que não podia acontecer um por mês?
    A ver se o excesso de oferta num dispersa as hostes.
    Eu espero ir, mas apenas a um, dois fins de semana fora tem um custo demasiado elevado, para um único mês.

  2. Estou com o Holstein. Doze meses para marcar, e quase que se sobrepõe ao fórum fantástico? por muito que me apeteça ir, é demasiado numa só quinzena… :S

  3. Dois eventos semelhantes quase ao mesmo tempo???

    Não teria sido melhor terem escolhido um fim de semana? É que na data escolhida não dá muito jeito para quem trabalha (ou estuda)…

    A escolha recai automaticamente no Fórum Fantástico, pois decorre precisamente durante fim de semana.

    De qualquer forma espero que corra tudo bem.

    Rui

  4. “[…] espera-se um evento com dimensões e ambições superiores aos já realizados no nosso País.”

    Como diria Freud, há frases que revelam bem o que vai na mente de quem as escreve…
    Só ficou a faltar a habitual declaração de originalidade…

    Abraço,
    Rogério

    • igdrasil diz:

      Essa não estou a perceber Rogério. Escrevi o post depois de falar com um dos responsáveis e foi a mensagem que me chegou. E aí está ela expressa no texto.

      Parece-me é que existem certas bocas como a da “originalidade” que já não metem piada nenhuma, ou se calhar só têm piada para quem as escreve.

      Roberto

  5. Olá, Roberto.

    Pensei que fosse explicito, mas eu explico.

    Já disse em circunstâncias recentes, e volto a dizer, cansa-me esta tendência de constante necessidade de comparação, principalmente quando é feita de forma gratuita. Tenho pena que o evento se defina como “maior que” e não como “uma grande”. Seja a definição da própria organização ou da lavra de quem escreveu o post (no caso da segunda, perdeu-se uma boa oportunidade para pôr as coisas em prespectiva, convém não sermos acríticos!).

    Quanto à questão da originalidade, também pensei que fosse evidente, teve a ver com a descrição dos objectivos ser tão absolutamente sobreponível a outros eventos similares (não só o Fórum Fantástico, mas também, por exemplo, os Encontros da Simetria), que me dificultou descortinar a razão para tão grande distinção na salvação da FC em Portugal! Nem me parece que possa ser pelo palco… onde eu e a Safaa organizámos há alguns anos, não três dias, mas uma semana de programação, numa altura bem mais difícil na promoção da FC&F…

    Mas claro que desejo o maior sucesso ao evento, até porque tem mais pontos de encontro com o FF do que foi já publicamente divulgado. Embora lamente a aproximação de calendário, quantos mais forem os eventos, melhor.

    Mas, mais uma vez, não posso deixar de lamentar alguns dos termos em que a notícia foi dada.

    Abraço,
    Rogério

  6. E foi a essa disponibilidade e pluralidade de divulgação que o Correio nos habituou… nem eu esperaria outra coisa… mas se reparares, verás outro “cuidado” nos press-releases do FF.

    Um abraço,
    Rogério

  7. Agora todo o processo, e os pontos de contacto com o FF, foram tornados públicos:

    http://retratos.wordpress.com/2010/09/07/os-eventos-do-ano-no-fantastico-portugues/

    Um abraço,
    Rogério

  8. Novembro vai ser um mês em grande! Pena que seja tudo em Lisboa (ou imagino que seja). Mas a iniciativa é excelente e aguardarei mais notícias antes de decidir se vou ou não, mas parece promissor.

  9. Seja como for, a Antagonista não participa oficialmente em qualquer um dos eventos. Pessoalmente devo comparecer nos dois, nem que seja para ver o fandom surgir do nevoeiro literário português =)

  10. Não, e é natural, tratam-se ambos de eventos com participação de funcionários da “melhor editora” do mercado nacional, sendo um negócio é perfeitamente natural que não se convidem os concorrentes (na melhor das hipóteses, convidariam a Gailivro).

    Aliás, dado o atraso dos nossos lançamentos, ainda somos mais uma “young promess” que propriamente uma concorrente, pode ser que em 2011 tenham mais razões, convincentes quanto baste, para nos convidar.

    • Infelizmente o que “mais temia” aconteceu. Voltamos aos “gropúsculos” e “capelinhas” provincianos.

      Em vez de unir estes “eventos” parece que tem o “dom” (viva a fantasia) de afastar.

      Voltamos ao tempos dos “funcionários”.

      Espero ver-te por lá. Se os deuses não forem “madrastos” vou tentar ir aos dois. Certas “coisas” devem ser “sentidas em directo”. Videodrome e eXistenZ forever! A chatice é isto não ser ficção!

    • Ricardo L. diz:

      Descontextualizar o que a Safaa escreveu não contribui para suportar o teu argumento. Para além de que o teu comentário em nada favorece a imagem da editora que (presumo) representas.

      Não me envolvendo nestas disputas, não posso deixar de salientar como cada evento, cada iniciativa deste género parece atrair, inevitavelmente, uma discussão entre aqueles que deveriam conjugar esforços.

  11. Olá,

    Não sendo funcionário de qualquer editora, do Fórum Fantástico garanto eu a imparcialidade.

    Se verificarem o passado do evento, vão constatar que já colaborámos com a quase totalidade das editoras portuguesas, de literatura e de bd, grandes e pequenas.

    Além disso, na feira do livro associada, costumamos facilitar a venda de livros de editoras independentes, como já aconteceu com a Livros de Areia, Chimpanzé Intelectual, etc. Creio que, sem falsa modéstia, demonstramos sempre a maior abertura nesse sentido.

    Dificilmente um comportamento de gropusculo ou capelinha, digo eu!

    Um abraço,
    Rogério

  12. I stand corrected, a Antagonista afinal foi convidada para estar presente, com uma banca, no 1º evento. Soube depois da hora do expediente.

  13. Sucede que convidaram o Roberto Mendes, julgando que o mesmo era sócio da editora, em vez de utilizarem os nossos contactos, daí o facto de nem eu nem o meu sócio estarmos a par do convite, quando o Roberto nos informou já estava comentado.

    O imediatismo moderno tem destas coisas, agora já está criado o mau ambiente.

  14. Houvesse o pouco português hábito de se divulgarem as coisas somente após as mesmas estarem organizadas e confirmadas, nada disto sucederia.

  15. Flávio,

    Há algo que não posso deixar de comentar. Parece-me que se está a colocar o foco no que são os “convites” das organizações, quando nos parecemos estar a esquecer do que é o papel das editoras na sua própria divulgação. Aliás, para além da paixão com que as edições são produzidas, as editoras são empresas que almejam em ultima instância a uma sustentabilidade económica, para a qual são essenciais estratégia e colocação.

    Se o que referi é verdade, mais o será no caso das pequenas editoras.

    Ora, falando apenas do caso que me é mais próximo, sabendo tu, como editor e como fã, há vários meses, que o FF2010 iria ocorrer no formato e datas anunciadas, que passos tomaste para, caso realmente reconheças algum valor acrescido à exposição da editora no evento, colaborar com o mesmo? Quando digo isto falo particularmente em ter lançamentos a coincidir com o evento, ter a presença de autores para debates ou autógrafos, ter os livros a vender no evento?

    É que há quem encha a boca para criticar a relação dos eventos com as “grandes” editoras, mas há que se reconhecer que vários desses editores se deram ao trabalho, com vários meses de antecedência, de telefonar à organização do FF a saber se se iria realizar em 2010, e a sugerir convidados, actividades e apoios.
    Isto demonstra interesse, profissionalismo, espírito de valorização e de colaboração. Até porque, como faço sempre, peço publicamente para nos enviarem sugestões e propostas.

    A relação entre evento e editoras não pode ser só assacada à organização, ainda mais que, como afirmei, não sou funcionário de nenhuma editora, a minha vida profissional está bem longe de qualquer assunto abordado no FF, e organizar isto exige-me muito tempo, paciência e até dinheiro próprio.

    Aliás, nem precisamos ir mais longe, basta tomar o exemplo pro-activo do Roberto Mendes. Se, como referes, surgiu o convite do Colóquio para a Antagonista participar no evento, a tal não terá sido alheio o contacto prévio do Roberto a oferecer à organização do evento a colaboração dos seus projectos, como a Safaa refere no seu blog (Talvez por ter sido ele a fazer essa oferta, a organização terá pensado tratar-se de um sócio da editora, mais uma vez convém não colocar o ónus nas organizações!).
    Obviamente, demonstrar interesse em fazer lançamentos exclusivos num evento é das colaborações mais valorizadas, pelo potencial acrescido de atracção de público.

    De qualquer maneira, todos os anos tenho-me dado à tarefa de convidar dezenas de pessoas e entidades, muitas delas que já vão ao FF há anos suficientes para terem já iniciativa própria, o que pouco tem acontecido. Aliás, é precisamente de “estreantes” que têm vindo os maiores sinais de empenho no evento, e qualquer um deles te poderá dizer que têm sido recebidos de braços abertos no evento, e da mesma forma muitas pessoas da audiência nos têm manifestado o prazer de conhecer tantas pessoas novas no evento.

    E desculpa se demonstro algum desencanto, mas os dias mais recentes não têm sido fáceis, por ser uma altura sempre muito intensa na organização do evento, pelas atitudes que têm surgido de algumas pessoas (talvez ofuscadas por elevados sonhos de glória!), e também porque, apesar de ter abdicado de parte da vocação do FF em prol de não criar sobreposições com o evento que é publico se irá realizar uma semana antes do nosso, tratando-se de um meio tão pequeno, por vezes é impossível, mesmo com muita ginástica, não surgirem algumas “aproximações”. Pior, quando nos damos conta que acontece falarmos independentemente com pessoas que se comprometem a actividades muito semelhantes sem referirem, a uma ou outra organização, que afinal alguém já teve a mesma ideia antes (apenas grave por distarem apenas uma semana)!

    E por favor não tomem nas minhas palavras algum intuito de guerra! Apenas gostaria que tomassem consciência que os convites das organizações, seja do FF ou do Colóquio, não são omniscientes, e que, seja que evento for, a responsabilidade da acção tanto deve estar sobre a organização como sobre aqueles que são os principais beneficiários destas promoções.

    Um abraço,
    Rogério

    • igdrasil diz:

      “pelas atitudes que têm surgido de algumas pessoas (talvez ofuscadas por elevados sonhos de glória!)”

      Quem será tão ingénuo ao ponto de sonhar com Glória no fantástico português?

      • Eu pergunto-me o mesmo, o que torna as atitudes ainda mais inexplicáveis!

        Abraço,
        Rogério

      • Glória seria só mesmo em estado de loucura, mas notoriedade alguns queriam e vão tendo, mesmo publicando lixo, mas se editados por uma das grandes, até que conseguem.

        E os exemplos não ficam por aqui.

        Outra coisa que alguns vão conseguindo é exercitar o poder e o mais das vezes deparamos com situações muito bem ilustradas pelo dito “com teu amo não jogues às pêras».

  16. Lamento, mas parti sempre do pressuposto – aliás, sempre julguei que assim era – que o FF era um evento da SdE, inclusive quando participei com a equipa de “Murmúrios das Profundezas” estava convicto de que tudo aquilo era organizado e pago pela SdE – aliás, na equipa falava-se precisamente de estarmos a ir a um “evento da SdE” embora tivessem recusado publicar o nosso álbum, tinham gostado, e irmos lá era consequência disso.

    Desculpa-me o erro, mas é a imagem que trespassa. Assim sendo, nem ousamos sugerir o que fosse, foi “auto-censura”, como diria Joaquim Letria, da nossa parte.

    Teremos sido só nós, ou será que esta infundada crença justifica a ausência de ofertas de presença pelas pequenas editoras? Ninguém gosta de ser considerado a couve de bruxelas ou os bróculos que acompanham o bife do lombo.

    A nossa estratégia passava por uma campanha em massa nas universidades, mas os atrasos nos pagamentos das livrarias têm-nos enquistado completamente a editora e, tenho que admitir, a nossa vontade de continuar a dar “murro em ponta de faca” é cada vez menor. Até final do ano temos obrigações contratuais para lançar Robert Reed, James Patrick Kelly e Robert Silverberg, ou perdemos os direitos. Para além disso, vamos apostar em transformar o CF numa publicação periódica, e depois logo veremos… estamos mais preocupados em evadir-nos a uma falência nos próximos meses do que em promover o que temos, é verdade.

    Quanto em promoção… oferecemos dezenas de exemplares do “Conto Fantástico”, não se encontra um resenha do mesmo em lado nenhum. Nem favor nem contra, aparentemente é tão intragável que só tem merecido indiferença. Isto evita que saibamos se é projecto que vale a pena manter ou não, se é bom mantém-se, se tem erros melhora-se… mas sem qualquer reacção, ficamos no escuro a julgar que foi um mau investimento.

    • Flávio,

      Sinceramente não percebo como possa surgir essa confusão! Como a Safaa explicou bastantes vezes, o FF nasceu bem antes dela trabalhar na SdE. Em todas as edições do FF, a SdE foi apenas uma editora entre várias; aliás, o evento nunca se baseou unicamente numa editora.

      Quanto às editoras, repara que não me queixei de falta de oferta das pequenas editoras, apenas indiquei a pro-actividade de algumas das “grandes” editoras que somos às vezes acusados de privilegiar. Aliás, apesar de não termos ainda anunciado no blog, uma das pequenas editoras portuguesas anunciou já no seu próprio blog um lançamento exclusivo no FF deste ano. E, como te indiquei, em anteriores FF sempre abrimos espaço para lançamentos e apresentações de autores de vários projectos de pequenas editoras e, até, de algumas edições de autor.
      O que te disse é que por vezes seria das pequenas que eu mais esperaria o esforço de apostarem nestes eventos, o que nem sempre constato.

      Quanto ao Murmúrios, esclareço-te já que fui eu, pessoalmente, que contactei o Rui Ramos, não através da SdE. Aliás, já o convidei para outros eventos depois disso, tendo ele participado em apresentações e debates, incluindo, espero bem, o presente FF. Aliás, sou grande fã e apoiante do Murmúrios, Voyager, etc.

      Essa do bife não percebi. Aliás, se acontece algo nestes eventos é a possibilidade das pequenas editoras se apresentarem ao nível das grandes. Diz-me qual foi a diferença de tratamento dado a uma Blanca Riestra ou a um Bruce Holland Rogers, convidados através da “pequena” Livros de Areia, e um Richard Morgan ou outro qualquer convidado pela “grande” SdE?! Qualquer um deles teve destaque igual no evento!

      Quanto ao CF, posso contribuir com a minha experiência à frente da revista Bang. Reacções escritas dos leitores? Serão sempre poucas ou nenhumas! O leitor português, em média, tem aversão a manifestar-se. Há que acreditar na validade do projecto e ir avançando na medida do possível…
      Talvez devesses medir mais as coisas, por exemplo, pela sessão de lançamento do CF, onde, se te lembras, também estive na assistência, disposto a comprar um exemplar, e que até estava o auditório bem composto.
      Mais uma vez sublinho, esses projectos evoluem aos poucos, temos de perseverar e não desistir demasiado cedo…

      Abraço,
      Rogério

  17. Ah, já agora, o Rui pode atestar, quem sugeriu ao editor da SdE, conhecido fã de Lovecraft, dar uma vista de olhos ao Murmúrios…
    Isto apenas para ilustrar como conheci o livro, e fiz o convite para o FF à equipe, bem antes dessa editora ter conhecimento da obra. Detesto “puxar dos galões”, mas abomino histórias mal contadas.

    Um abraço,
    Rogério

  18. Ricardo L. diz:

    Confesso que não adquiri o CF, caso contrário decerto teria escrito a minha opinião. No entanto, pelo que tenho verificado, a quantidade de críticas relativamente a revistas e jornais é bastante inferior à dos livros, pelo que a consulta dos fórums e redes sociais possivelmente dará mais frutos em termos de feedback.

  19. Rogério, grato pelo link, gostei do que li.

    Agora algo completamente diferente, e conseguir-se reavivar a tua tertúlia pelo menos bimestralmente?

    Creio que seria extremamente útil, embora na única a que fui a parte mais animada da noite tenha sido acerca de Babylon 5.

    • Olá, Flávio.

      A Tertúlia Fantástica? Tinhamos planos disso para esta altura, mas como vou estar fora uns meses a trabalho a coisa foi de novo adiada, mas não enterrada. Há planos para relançá-la no FF, juntamente com outros projectos.

      Olha, emails pessoais posso enviar-te através do email geral da Antagonista?

      Um abraço,
      Rogério

  20. O e-mail da editora é acedido por mais que uma pessoa, correio pessoal pode ser enviado para flaviocapelo@gmail.com

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s