A ÙLTIMA TRANSMISSÃO HUMANA

Falei-vos aqui – há já bastante tempo até – sobre o projecto original levado a cabo por Miguel – Aka Haiden – e prometi voltar. O prometido é devido, como tão bem o diz Rui Veloso, e cá estou. FLI, é como se intitula o projecto, e é um acrónimo para Filme Literário Interactivo. Convém aqui recuperar a definição de FLI, dada, então, naquele primeiro artigo: «FLI, um conceito do próprio autor – Haiden – significa Filme Literário Interactivo, e é exactamente disso que se trata. De um Filme, que não usa Fita, de um Livro que não usa papel, e é interactivo porque podemos interagir com a obra – conforme veremos mais adiante. Na realidade, falar do conceito não será suficiente. Aquela máxima filosófica «O conceito de cão não morde» aplica-se inteiramente aqui. O conceito de FLI não será suficientemente esclarecedor, FLI é um conceito que apenas fará sentido quando experimentado.» Desenganem-se, portanto, aqueles que pensam que se trata apenas de mais um blog, porque assim não é. O resultado da experiência é tanto mais positivo consoante se esteja disponível para absorver a totalidade das vertentes oferecidas; aliás, o sucesso do projecto depende disso e a originalidade também. A Última Transmissão Humana deve ser vista num quarto escuro – como no cinema -, com o som no máximo, com tempo e um pacote de pipocas. Esta minha introdução é, ao mesmo tempo, uma advertência. Nos tempos rápidos que correm, tendemos a olhar para os blogs como um artigo de consumo rápido – como se fossem Fast Food informático -, algo por onde passamos os olhos num instante e só se virmos algo diferente é que nos demoramos. Para quem for em busca de A Última Transmissão Humana  com este espírito, uma palavra de aviso: não vão. Têm de reservar tempo para ele, porque A Última Transmissão Humana é também um livro, é também um Concerto, uma exposição fotográfica; é uma experiência multimédia Fantástica que só poderá ser admirada por quem a apreciar – e apreciar implica dedicação de tempo. Não é à toa que ficou entre os finalistas do Prémio Zon Criatividade Multimédia em 2009 Cada texto está escrito num ritmo alucinante, numa cadência ritmada enriquecida com cores e destaques que apelam ao nosso subconsciente, despertando em nós emoções e reacções (leitura dinâmica através da psicologia das cores); existe uma relação intrínseca – embora nem sempre evidente – entre os poemas escolhidos – que funcionam como os verdadeiros planos artísticos da história, e apresentam-se sob a forma de visões proféticas, contactos da personagem principal com a divindade, premonições – e os textos da história; bem como entre as fotos – dos maiores fotógrafos a nível nacional – e tudo o resto; e a banda sonora – tocada ininterruptamente por um I-Pod Digital – é excepcional. Se já na altura – na primeira vez que visitei este site e falei sobre ele – A Ultima Transmissão Humana era um projecto multimédia monstruoso, ele cresceu para algo de proporções épicas. O autor continua a dinamizar o espaço e, com isso, a fazer evoluir o conceito FLI. Existe a possibilidade dos leitores lhe transmitirem as reacções que tiveram em determinado texto, e a oportunidade de partilhar os textos nas diversas redes sociais. Além disso, o autor, sugere-nos a música que deve acompanhar a leitura de determinado capitulo, potenciando desta forma a experiência que cada um de nós deve obter. Há mais. Temos uma videoteca – com os trailers disponíveis – e uma secção dedicada a videojogos – os últimos recomendados – sempre no âmbito e temática de A Última Transmissão Humana, em que um click nos levará para os site oficial. E no mesmo âmbito, temos outras ofertas/conselhos: álbuns musicais, enzines gratuitas sobre literatura fantástica, artigos sobre a UTH e um dicionário On-line para que se consulte as palavras que não se conhece. Aos poucos o FLI vai assemelhando-se a um Media Center com a vantagem de nos contar uma história. E a história? A história, apesar de surgir – no início – mais ou menos colada ao enredo do DOOM, apresenta uma evolução bastante interessante; e teve, até ao momento, um volte-face mirabolante que – curiosamente – coloca os leitores a K.O. no preciso momento em que personagem se salva de uma situação periclitante; e é este evento que descola totalmente o projecto da sombra do DOOM. Até à data o enredo não apresenta incoerências; o que é de louvar, principalmente porque os capítulos vão surgindo após a publicação dos anteriores, ao jeito de uma série televisiva. E o tema é bastante actual. O único senão é a baixa produtividade de textos. Temos de esperar muito tempo por novos desenvolvimentos – para minha pena. Mas penso que isso é inerente a todos nós que escrevemos por gosto, mas temos de trabalhar noutras coisas para ganhar a vida. Vão ver, vão ler, vão ouvir, vão assistir… Vão, porque não será em vão. Termino, cintando o autor: Esta é a minha história, Este é o meu destino, Esta é a minha Última Transmissão Humana

Sobre Paulo J Fonseca

Escritor, leitor, apreciador do cinema e videojogos, admirador de artes digital e «ouvidor» de música. Gosto de divulgar tudo aquilo que me parece bom, tal como alertar para tudo aquilo que, parecendo bom, pode não ser tão bom assim.
Esta entrada foi publicada em Autores Portugueses, Blog Related, Fantasia, Fantástico, Ficção Científica, Nova Fantasia, Prémios, Sci-fi, Sugestões de Leitura. ligação permanente.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s